Escritório Regional da FAO para a América Latina e o Caribe

Diretor-Geral da FAO: “podemos nos tornar a primeira geração Fome Zero”

Primeiro Ministro da Jamaica participou da inauguração oficinal da Conferência Regional da FAO

Graziano da Silva inaugurou a Conferência juntamente com o Primeiro-Ministro da Jamaica, Andrew Holness

7 de março de 2018 - O Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva, participou hoje da inauguração oficial da 35ª Conferência Regional da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Graziano da Silva inaugurou a Conferência juntamente com o Primeiro-Ministro da Jamaica, Andrew Holness, a Vice-Presidente da República Dominicana, Margarita Cedeño, o Ministro da Indústria, Comércio, Agricultura e Pesca da Jamaica, Karl Samuda e o Ministro de Assuntos Exteriores de El Salvador, Hugo Martínez, representando a Presidência Pro-Tempore da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC).

O Diretor-Geral da FAO agradeceu ao Governo da Jamaica por ser o anfitrião da Conferência e disse que "se queremos dar às pessoas o direito à uma alimentação adequada e nutritiva, devemos abordar questões cruciais como as mudanças climáticas, a migração e o uso de uso sustentável dos recursos naturais ".

Graziano da Silva destacou que, embora a América Latina e o Caribe tenham feito grandes progressos nas últimas décadas em termos de segurança alimentar, muitas pessoas ainda enfrentam a fome diariamente. "Além disso, percebemos um aumento alarmante das taxas de má nutrição, especialmente sobrepeso e obesidade", afirmou em seu discurso para os países.

Apesar dos desafios que a região enfrenta, Graziano ressaltou que a FAO está firmemente convencida de que a comunidade internacional possui todos os elementos necessários para alcançar o desenvolvimento sustentável.

"Acabar com todas as formas de má nutrição até 2030 é possível. E podemos ser a primeira geração da Fome Zero. É a missão da FAO assegurar que isso aconteça ", disse ele.

Primeiro Ministro da Jamaica: modernizar a agricultura requer segurança energética

"Não podemos falar de modernização da nossa agricultura sem encontrar uma solução para os custos cada vez mais altos de energia para produzir alimentos. A segurança energética é a segurança alimentar", disse o primeiro-ministro Andrew Holness, de Montego Bay, Jamaica.

Holness anunciou que um dos objetivos de seu governo é desenvolver um ecossistema de energia baseado em fontes de energia renováveis e de baixo custo, cuja composição deverá representar 30% da matriz até 2030, superando os 18% atuais.

"Quando os custos de energia são acessíveis e previsíveis, tanto agricultores como empresários do setor de alimentos, e a indústria agroalimentar em geral, têm mais possibilidades de investir em outros aspectos do negócio, como a tecnologia", afirmou.

O Primeiro-ministro da Jamaica destacou a importância de "desenvolver soluções tecnológicas para adaptar nossos sistemas de produção, conservar energia e tornar mais eficiente o uso de nossos recursos marinhos, terra, florestas e águas".

 

Share this page