Escritório Regional da FAO para a América Latina e o Caribe
Photo: ©Chris Ford/Flickr Creative Commons

A contribuição da aquicultura à economia regional cresceu substancialmente nos últimos 10 anos. A atividade gera emprego direto para mais de 200 000 trabalhadores e emprego indireto para outros 500 000. A FAO apóia a produção sustentável da pesca e aquicultura, cuidando desses recursos e apoiando a pesca artesanal e seus pequenos produtores

Pesca e aquicultura na América Latina e Caribe

Estima-se que a pesca e a aquicultura representem o sustento de 540 milhões de pessoas no mundo, ou 8% da população mundial. Os mares da América Latina e do Caribe constituem uma saudável fonte de alimentação e de geração de renda para milhares de famílias.

Segundo dados da FAO, em 2009 a aquicultura forneceu 81% da produção de mariscos, 76% do pescado de água doce, 69% do salmão e 42% do camarão consumidos no mundo, gerando emprego para 9 milhões de pessoas. Além disso, a aquicultura é o setor de alimentos com o crescimento mais rápido no mundo: 7% ao ano, respondendo por mais de 50% do consumo humano de pescado.

A contribuição da aquicultura à economia regional cresceu substancialmente nos últimos 10 anos. Gera emprego direto para mais de 200 000 e indireto para outros 500 000 trabalhadores.

Do ponto de vista da alimentação, mais de 100 000 famílias rurais na região dependem direta ou indiretamente da aquicultura para o sustento, incluíndo os alimentos de consumo próprio.

Produção sustentável

Para manter o atual consumo per capita de pescado, no ano 2030 a aquicultura deverá produzir anualmente 28,8 milhões de toneladas a mais do que produz na atualidade.

Na América Latina e no Caribe, a produção também cresceu a taxas anuais de cerca de 20%. Em 1990 foram produzidas 186 000 toneladas, mas em 2006 a produção ultrapassou 1,3 milhão de toneladas.

Porém, é essencial que esse crescimento ocorra de forma ambientalmente sustentável, socialmente justa e que gere produtos saudáveis e seguros.

A FAO apóia a produção sustentável da pesca e da aquicultura através de organizações como a Rede de Aquicutura das Américas, protegendo recursos naturais, apoiando a pesca artesanal e os pequenos produtores.

A aquicultura na região

  • Com mais de 1.8 milhão de toneladas em produtos aquícolas em 2009, a América Latina e o Caribe representam 3% da produção global.
  • Embora o Chile, Brasil, Equador e México contribuam com mais de 80% da produção aquícola regional, esta atividade se realiza em diversas escalas em praticamente todos os países da região, facilitando substancialmente a segurança alimentar, o emprego e a geração de divisas.
  • A aquicultura de recursos limitados (equivalente à agricultura familiar) é praticada por mais de 100.000 famílias dos países na região.

O que é produzido na região?

Os principais cultivos regionais são as espécies exóticas, principalmente os salmonídeos (trutas e outros) em 9 países da região, camarões marinhos em 18 países e tilápia em 20 países.

Depois de um crescimento contínuo por mais de uma década, a captura máxima de pescado no continente foi atingida em 2004 com 536 mil toneladas. A partir daquele ano a produção teve um declínio de 9%, chegando a 486 mil toneladas anuais. A aquicultura na região mantém uma taxa de crescimento que supera a de qualquer outra região do globo