FAO.org

Home > Country_collector > Brasil > Notícias > Detail
Brasil

FAO anuncia vencedoras do concurso de histórias #MulheresRurais da América Latina e do Caribe

O concurso fez parte da campanha #MulheresRurais, mulheres com direitos
11/09/2017

Foram recebidos 244 relatos de vida e experiências de organizações de 18 países da América Latina e do Caribe; história e experiência brasileiras receberam menção honrosa

Mulheres que enfrentaram os efeitos da industrialização de cacao na Bolívia e aquelas que semearam palmeiras nos territórios recuperados pela paz na Colômbia são as histórias vencedoras do concurso de relatos e fotografias organizado pela FAO. O objetivo foi conhecer as experiências de vida das mulheres rurais da América Latina e do Caribe.

O concurso fez parte da campanha regional de comunicação #MulheresRurais, mulheres com direitos, liderada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura para explicar o papel fundamental das mulheres rurais para o desenvolvimento sustentável. 

Ao todo, o concurso recebeu 244 relatos de vida e experiências de empoderamento comunitário de 18 países da região. 

“As histórias que participaram do concurso nos transportaram para os diversos mundos das mulheres rurais. Elas contaram suas ideias, seus desafios e seus sonhos”, destacou Claudia Brito, Oficial de Gênero da FAO.

Os primeiros lugares das categorias do concurso serão premiados na XXVII Reunião Especializada da Agricultura Familiar do Mercosul (REAF Mercosul), que será realizada no início de dezembro, no Brasil. Na oportunidade, as vencedoras compartilharão suas experiências e desafios com instancias do governo e organizações da sociedade civil ligadas à agricultura familiar.

As rotas de cacao na Bolívia

Na categoria de relatos de vida, Remedios Pinto, da Bolívia, foi a grande vencedora com a história “As rotas do cacau”. Ela conta como foi para ela e sua comunidade enfrentar os efeitos da industrialização do cacao no país.

“Ser mulher negra significa estar conectada com seu espaço, suas raízes, sua terra e com sua comunidade. Tenho orgulho de ser afroboliviana”, ressaltou Remedios no relato.

Açúcar mascavo para a paz na Colômbia

O primeiro lugar na categoria de experiências de organizações foi concedido para a Associação de Produtores de Palmas (Asolpas), da Colômbia, que se dedica, principalmente, na elaboração de panela (açúcar sem refinar) a partir da cana de açúcar.

Esta organização foi criada por um grupo de mulheres que buscam melhorar a qualidade de vida da comunidade, proteger o meio ambiente e preservar a cultura por meio do trabalho na terra. A luz dos recentes acordos de paz, a história da associação valoriza a importância do trabalho comunitári0o para revitalizar os territórios que foram afetados por conflitos armados. 

“A energia positiva que as pequenas realizações nos proporcionaram e as profundas aprendizagens que tivemos e ainda temos, serviu para enfrentar com êxito as múltiplas dificuldades e desafios que tivemos todos esses anos”, expressam em sua história as mulheres da associação.

Múltiplas menções honrosas Devido à grande quantidade de interessantes histórias e experiências compartilhadas pelas mulheres rurais da região, onze menções honrosas foram definidas. (relatos de vida e experiências de organizações).

Na categoria relatos de vida, a FAO reconhece os relatos de: Isabel Guggisberg, da Associação Civil de Mulheres Agropecuárias da Argentina; Maria do Livramento Diniz Sacramento, mulher rural do Brasil; Rut Pelaiza Gutiérrez, assessora financeira rural do Peru; Mireya Betancort, professora rural no Uruguai; y Gaudy Maria García, fundadora da Associação Civil Moncar da Venezuela.

Entre as organizações rurais que receberam menções honrosas estão: o empreendimento de turismo rural de armazém Francou, na Argentina; a Escola Familar Agrícola de Santa Cruz do Sul, no Brasil; a Associação de Mulheres Cafeteiras de Córdoba, na Colômbia; a Coordenadora Nacional de Mulheres Negras do Equador; a União de Palmeadoras da Cidade Heroica de Tlaxiaco, no México; e o Coletivo de Mulheres e Milho Amatenango do Vale, no Méximo.

Processo de seleção e premiação

As histórias foram avaliadas por um comitê interdisciplinar que analizou a proximidade dos relatos, o papel protagonista das mulheres e a relevância das histórias tendo em vista os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. 

Na seleção dos primeiros lugares e menções honrosas participou o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (Unesco), o Projeto Mais Algodão da FAO e o Centro Latino-americano para o Desenvolvimento Rural (RIMISP)  

Para saber mais, acesse a página do Escritório Regional da FAO para a América Latina e o Caribe