FAO.org

Home > Country_collector > FAO no Brasil > Notícias > Detail
FAO no Brasil

Estudo inédito da FAO aponta que a biodiversidade do planeta está desaparecendo

22/02/2019

Roma - O primeiro relatório global da FAO sobre o estado da biodiversidade que sustenta nossos sistemas alimentares foi lançado hoje e traz dados alarmantes para o futuro do planeta. O estudo, O Estado da Biodiversidade para Alimentos e Agricultura no Mundoapresenta evidências crescentes e preocupantes de que a biodiversidade da Terra está desaparecendo - colocando o futuro de nossos alimentos, meios de subsistência, saúde e meio ambiente sob grave ameaça.

De acordo com o relatório da FAO, a biodiversidade para a alimentação e a agricultura - ou seja, todas as espécies que apoiam nossos sistemas alimentares e sustentam as pessoas que cultivam e fornecem nossos alimentos - não pode ser recuperada.

No contexto da alimentação e da agricultura, essa biodiversidade representa todas as plantas e animais - silvestres e domesticados - que fornecem alimento, ração, combustível e fibra. É também a miríade de organismos que apoiam a produção de alimentos através de serviços ecossistêmicos  chamados de “biodiversidade associada”.

Isso inclui todas as plantas, animais e microorganismos (como insetos, morcegos, pássaros, manguezais, corais, ervas marinhas, minhocas, fungos e bactérias) que mantêm os solos férteis, polinizam as plantas, purificam a água e o ar, mantêm peixes e árvores saudáveis ​​e combatem pragas e doenças de colheitas e do gado.

O relatório, elaborado pela FAO sob a orientação da Comissão de Recursos Genéticos para Alimentação e Agricultura, examina todos esses elementos e se baseia nas informações fornecidas, especificamente para este relatório, por 91 países. Ela também se baseia na análise dos dados globais mais recentes.

 “A biodiversidade é fundamental para salvaguardar a segurança alimentar global, sustentar dietas saudáveis ​​e nutritivas, melhorar os meios de vida rurais e a resiliência das pessoas e das comunidades. Precisamos usar a biodiversidade de maneira sustentável, para melhor responder aos crescentes desafios das mudanças climáticas e produzir alimentos de uma maneira que não agrida nosso meio ambiente ”, disse o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

“Menos biodiversidade significa que plantas e animais são mais vulneráveis ​​a pragas e a doenças. Com a dependência de cada vez menos espécies para se alimentar, a crescente perda de biodiversidade para alimentos e agricultura coloca a segurança alimentar e a nutrição em risco”, acrescentou Graziano da Silva.

A base dos nossos sistemas alimentares está sob grave ameaça

O relatório aponta para a diminuição da diversidade de plantas nos campos, o aumento do número de raças de gado em risco de extinção e o aumento desproporcional de estoques de peixes.

Das cerca de 6 mil espécies de plantas cultivadas para alimentação, menos de 200 contribuem substancialmente para a produção global de alimentos, e apenas nove respondem por 66% da produção agrícola total.

Já a produção mundial de gado é baseada em cerca de 40 espécies de animais, com apenas um punhado fornecendo a grande maioria de carne, leite e ovos. Das 7.745 raças de gado locais (ocorrentes em um país) registradas globalmente, 26% estão em risco de extinção.

Quase um terço das unidades populacionais de peixe são sobre exploradas: mais de metade atingiram o seu limite sustentável.

Informações dos 91 países revelam que as espécies de alimentos silvestres e muitas espécies que contribuem para os serviços ecossistêmicos vitais à alimentação e à agricultura, incluindo polinizadores, organismos do solo e inimigos naturais das pragas, estão desaparecendo rapidamente.

Por exemplo, os países relatam que 24% das cerca de 4.000 espécies de alimentos silvestres - principalmente plantas, peixes e mamíferos - estão diminuindo vertiginosamente. Mas a proporção de alimentos silvestres em declínio provavelmente será ainda maior, já que o estado de mais da metade das espécies de alimentos silvestres relatados é desconhecido.

O maior número de espécies de alimentos silvestres em declínio aparece nos países da América Latina e Caribe, seguido da Ásia-Pacífico e da África. Isso poderia ser, no entanto, um resultado de espécies de alimentos silvestres sendo mais estudados e/ou relatados nesses países, do que em outros.

Muitas espécies de biodiversidade associadas também estão sob grave ameaça. Estes incluem pássaros, morcegos e insetos que ajudam a controlar pragas e doenças, e a biodiversidade do solo e polinizadores selvagens - como abelhas, borboletas, morcegos e pássaros.

Florestas, pastagens, manguezais, pradarias de ervas marinhas, recifes de corais e zonas úmidas em geral - ecossistemas chaves que fornecem numerosos serviços essenciais à alimentação e à agricultura e são o lar de inúmeras espécies - também estão em rápido declínio.

Principais causas de perda de biodiversidade

As causas da perda da biodiversidade para alimentos e agricultura citada pela maioria dos países tem relação com: mudanças no uso e manejo da terra e da água, seguidas pela poluição, super exploração e exploração excessiva, mudanças climáticas, crescimento populacional e urbanização.

No caso da biodiversidade associada, enquanto todas as regiões relatam alterações e perdas de habitat como grandes ameaças, outros fatores-chave variam: sobre-exploração, caça e caça furtiva na África; desmatamento, mudanças no uso da terra e agricultura intensificada na Europa e na Ásia Central; super exploração, pragas, doenças e espécies invasoras na América Latina e no Caribe; super exploração no Oriente Próximo e Norte da África e desmatamento na Ásia.

Práticas favoráveis ​​à biodiversidade estão em ascensão

O relatório destaca um interesse crescente em práticas e abordagens favoráveis ​​à biodiversidade. Oitenta por cento dos 91 países indicam o uso de uma ou mais práticas e abordagens favoráveis ​​à biodiversidade, tais como: agricultura orgânica, manejo integrado de pragas, agricultura de conservação, manejo sustentável do solo, agroecologia, manejo florestal sustentável, agrossilvicultura, práticas de diversificação na aquicultura, restauração de pescas e ecossistemas.

Esforços de conservação, tanto no local (por exemplo, áreas protegidas, na gestão da fazenda) e fora do local (por exemplo, bancos de genes, jardins zoológicos, coleções culturais, jardins botânicos) também estão aumentando globalmente, embora os níveis de cobertura e proteção sejam, muitas vezes, inadequados.

 

Revertendo tendências que levam à perda de biodiversidade - o que é necessário

Embora o aumento de práticas amigas da biodiversidade seja encorajador, é preciso fazer mais para impedir a perda de biodiversidade para alimentos e para a agricultura.

A maioria dos países implementou estruturas legais, políticas e institucionais para o uso sustentável e a conservação da biodiversidade, mas estas são, muitas vezes, inadequadas ou insuficientes.

O relatório pede aos governos e à comunidade internacional que façam mais para fortalecer as estruturas de capacitação, criar incentivos e medidas de repartição de benefícios, promover iniciativas pró-biodiversidade e abordar os principais impulsionadores da perda de biodiversidade.

Maiores esforços devem ser feitos para melhorar o estado de conhecimento da biodiversidade para alimentos e agricultura, já que muitas lacunas de informação permanecem - particularmente para espécies associadas à biodiversidade. Muitas dessas espécies nunca foram identificadas e descritas, especialmente no caso dos invertebrados e microrganismos. Mais de 99% das bactérias e espécies protistas - e seu impacto na alimentação e na agricultura - permanecem desconhecidas.

É necessário melhorar a colaboração entre os políticos, as organizações de produtores, os consumidores, o setor privado e as organizações da sociedade civil nos setores da alimentação, da agricultura e do meio ambiente.

Oportunidades para desenvolver mais mercados para produtos amigáveis ​​à biodiversidade devem ser mais exploradas.

O relatório também destaca o papel que o público em geral pode desempenhar na redução das pressões sobre a biodiversidade para alimentos e agricultura. Os consumidores podem optar por produtos cultivados de forma sustentável, comprar em mercados agrícolas ou boicotar alimentos considerados insustentáveis. Em vários países, “cientistas cidadãos” desempenham um papel importante no monitoramento da biodiversidade para alimentos e agricultura.

Exemplos de impactos da biodiversidade na perda de alimentos e agricultura, e práticas favoráveis ​​à biodiversidade:

- Na Gâmbia, as perdas maciças de alimentos silvestres forçaram as comunidades a recorrer a alternativas, muitas vezes produzidas industrialmente, para complementar suas dietas.

- No Egito, o aumento das temperaturas levará provocará o deslocamento de espécies de peixes para o norte, com impactos na produção pesqueira.

- Escassez de mão-de-obra, fluxos de remessas e aumento da disponibilidade de produtos alternativos baratos nos mercados locais contribuíram para o abandono das colheitas locais no Nepal.

- Nas florestas amazônicas do Peru, prevê-se que as mudanças climáticas levem à “savanização”, com impactos negativos na oferta de alimentos silvestres.

- Fazendeiros californianos permitem que seus campos de arroz inundem no inverno em vez de queimá-los após o crescimento da estação. Isso proporciona 111.000 hectares de terras úmidas e espaço aberto para 230 espécies de aves, muitas delas em risco de extinção. Como resultado, muitas espécies começaram a aumentar em número. A quantidade patos, por exemplo, duplicou.

- Na França, cerca de 300.000 hectares de terra são manejados com base em princípios agroecológicos.

- Em Kiribati, a criação integrada de milkfish, sandfish, pepino do mar e algas marinhas garante comida e renda regulares, pois apesar das mudanças nas condições climáticas, pelo menos um componente do sistema está sempre produzindo alimentos.