FAO.org

Home > Country_collector > FAO no Brasil > Notícias > Detail
FAO no Brasil

Diretor-geral da FAO pede medidas fortes para combater a pandemia global da obesidade

26/07/2019

O Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva, fez um apelo por medidas mais duras para combater a pandemia global da obesidade, pedindo o uso de políticas fiscais e legais concretas para promover dietas mais saudáveis.
"É inacreditável, mas é difícil encontrar e comprar alimentos saudáveis ​​em nossas cidades hoje", disse Graziano da Silva, acrescentando que existem inúmeras ferramentas políticas para melhorar a acessibilidade a dietas mais saudáveis.
Ele fez seus comentários ao receber o Prêmio de Inspiração Nutricional das mãos dos dois vencedores do Prêmio Mundial da Alimentação de 2018, que reconheceu sua "ambição por toda a vida não apenas de reduzir a desnutrição, mas erradicá-la".
O prêmio da GAIN, a Aliança Global para Melhor Nutrição, é dado a um indivíduo que contribuiu de forma notável para melhorar a nutrição global. O prêmio foi concedido ao diretor-geral da FAO em um evento realizado na sede da agência da ONU em Roma.
Graziano da Silva "tem um histórico pessoal, nacional e global no combate à fome e inspirou inúmeros outros a seguir sua liderança", disse Lawrence Haddad, diretor executivo da GAIN, que desde o seu lançamento em 2002 trabalhou com parceiros, partes interessadas e os formuladores de políticas públicas pela promoção de escolhas alimentares mais saudáveis, ​​mais acessíveis, mais disponíveis e mais desejáveis. Na citação, ele observou o "compromisso inabalável" e as conquistas de Graziano da Silva como Ministro Especial de Segurança Alimentar no Brasil e mais tarde em dois mandatos pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, onde foi pioneiro em parcerias e diálogo entre os setores público e privado.
"A influência pessoal dele (de Graziano da Silva) garantiu um compromisso político nos níveis mais altos pelo fim da fome e da desnutrição", disse durante o prêmio.
O evento incluiu um painel presidido por David Nabarro, antigo funcionário sênior da ONU, que é Curador de Diálogos de Sistemas Alimentares, promovendo oportunidades de alto perfil para uma ampla gama de partes interessadas em acelerar o desenvolvimento sustentável e a transformação de sistemas alimentares. Nabarro e Haddad ganharam o prestigiado Prêmio Mundial da Alimentação no ano passado.
Em uma mensagem em vídeo, Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, observou que Graziano da Silva "fez da nutrição uma prioridade estratégica para a FAO", acrescentando que ansiava "construir seu legado" com Qu Dongyu, que sucede Graziano da Silva no comando da FAO no final deste mês.
"Dietas insalubres e desnutrição são responsáveis ​​por quase uma em cada três mortes, e as doenças não transmissíveis, causadas em grande parte por dietas pobres, custam ao mundo mais de US $ 7 trilhões a cada ano", disse Ghebreyesus. "Uma abordagem business as usual só levará a problemas de saúde, mais problemas ambientais e custos maiores", acrescentou. 

Intensificando o foco na qualidade da dieta


O prêmio foi concedido no contexto de um painel de discussão com foco no trabalho recente da FAO na luta contra a fome e os futuros desafios impostos pela crescente população mundial, rápida urbanização e mudança de dieta, especialmente em países de baixa e média renda.
Nos últimos anos, a FAO levou a nutrição à agenda global, realizando uma importante conferência internacional sobre nutrição que levou à Declaração de Roma sobre Nutrição e defendendo a Década de Ação da ONU sobre Nutrição (2016-2025).
Graziano da Silva, em seus oito anos na FAO, observou sistematicamente que o mundo produz alimentos suficientes para alimentar a todos, mas isso não levou ao fim da fome e de problemas nutricionais mais complexos - como obesidade e doenças relacionadas à dieta - hoje.
Ele disse que os governos locais e nacionais têm ferramentas para melhorar os sistemas alimentares, citando o imposto sobre o açúcar do México como exemplo, observando que as políticas de preços e subsídios podem ser ajustadas e que as cidades podem promover circuitos locais para que não apenas cachorros quentes e hambúrgueres estejam disponíveis.