Manual de Avaliação de Recursos Pesqueiros

Fao Documento Técnico Sobre as Pescas No. 393

Manual de Avaliação de Recursos Pesqueiros

por
Emygdio L. Cadima
Consultor
FAO - Departamento de Pesca

DANIDA
Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura
Roma, 2000

Índice



As definições empregadas e a apresentação do material nesta publicação não implicam a manifestação de qualquer opinião por parte da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura relativamente à situação jurídica de quaisquer países, territórios, cidades ou áreas ou das respectivas autoridades ou relativamente à delimitação das suas fronteiras ou limites.

ISBN 92-5-904505-3

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, total ou parcialmente, por quaisquer métodos ou processos, sejam eles electrónicos, mecânicos, de cópia fotostática ou outros, sem a autorização escrita do possuidor da propriedade literária. Os pedidos para tal autorização, especificando a extensão do que se deseja reproduzir e o seu objetivo, deverão ser dirigidos ao Diretor do Serviço de Publicações e Multimedia da Direcção de Informação da FAO, Viale delle Terme di Caracalla, 00100, Roma, Itália ou por correio electrónico a copyright@fao.org

© FAO 2000

Cadima, E.L.
Manual de avaliação de recursos pesqueiros
FAO Documento Técnico sobre as Pescas. No. 393. Roma, FAO. 2000. 162p.

Resumo

O manual é apresentado na ordem em que foi leccionado ao longo do último curso no IPIMAR (Novembro/Dezembro de 1997). Começa por uma introdução aos modelos matemáticos aplicados à avaliação dos recursos pesqueiros e por considerações sobre a importância das pescas. Em seguida evidencia-se a necessidade da gestão racional dos recursos pesqueiros, indispensável para uma exploração adequada, garantindo-se a sua conservação. As suposições básicas de um modelo e os conceitos de diferentes taxas de variação de uma característica em relação ao tempo (ou a outras características) são apresentadas, salientando-se os aspectos mais importantes dos modelos linear simples e exponencial que serão largamente utilizados nos capítulos seguintes. Após algumas considerações sobre o conceito de coorte, desenvolvem-se modelos para a evolução no tempo do número e do peso dos indivíduos que compõem a coorte, incluindo modelos para o crescimento individual da coorte. No capítulo sobre o estudo do manancial define-se padrão de pesca e seus componentes, apresentam-se os modelos mais usados para a relação manancial-recrutamento, bem como as projecções de um manancial a curto e a longo prazo. No que respeita à gestão dos recursos pesqueiros, discutem-se os pontos de referência biológica (pontos alvos, pontos limites e pontos de precaução) e medidas de regulamentação das pescarias. O último capítulo da apresentação e discussão de modelos teóricos de avaliação de recursos pesqueiros, trata dos modelos de produção (também designados por modelos de produção geral) e das projecções de capturas e biomassas a longo e a curto prazo. Finalmente descrevem-se os métodos gerais de estimação de parâmetros e apresentam-se alguns métodos de estimação dos parâmetros mais importantes, com relevância para as análises de coortes por idades e por comprimentos. Apresentam-se à continução os enunciados dos exercícios resolvidos no último curso leccionado no IPIMAR, pelo autor e pela investigadora Manuela Azevedo, com uma solução possível.



Índice


Preparação deste documento

Resumo

Prefácio

Glossário de termos técnicos usados no manual

Referências Bibliográficas

1. INTRODUÇÃO

1.1 Importância das pescas
1.2 Gestão dos recursos pesqueiros
1.3 Investigação dos recursos pesqueiros
1.4 Avaliação dos recursos pesqueiros

2. MODELOS E TAXAS

2.1 Modelos
2.2 Taxas
2.3 Modelo linear simples
2.4 Modelo exponencial

3. COORTE

3.1 Coorte - Introdução
3.2 Evolução em número de uma coorte, num intervalo de tempo
3.3 Captura em número num intervalo de tempo
3.4 Crescimento individual
3.5 Biomassa e captura em peso, no intervalo Ti
3.6 Coorte durante toda a vida explorável
3.7 Simplificação de Beverton e Holt

4. MANANCIAL

4.1 Manancial durante um ano
4.2 Padrão de pesca durante um ano
4.3 Projecções do manancial a curto prazo (CP)
4.4 Projecções do manancial a longo prazo (LP)
4.5 Relação manancial - recrutamento (S-R)
4.6 Relação entre R e resultante (relação R-S)

5. PONTOS DE REFERÊNCIA BIOLÓGICA E MEDIDAS DE REGULAMENTAÇÃO

5.1 Pontos de referência biológica para a gestão e conservação dos recursos pesqueiros
5.2 Pontos alvo de referência biológica (Fmax , F0.1 e Fmed)
5.3 Pontos limite de referência biológica (Bloss, MBAL, Fcrash e Floss)
5.4 Pontos de referência de precaução - Fpa, Bpa
5.5 Medidas de regulamentação das pescarias

6. MODELOS DE PRODUÇÃO

6.1 Suposição básica sobre a evolução da biomassa de um manancial não-explorado
6.2 Manancial explorado
6.3 Aproximação da taxa instantânea, tir(Bt), pela taxa média, tmr() no intervalo Ti
6.4 Projecções a longo prazo (LP) (Condições de equilíbrio)
6.5 Índices de biomassa e de nível de pesca
6.6 Pontos-alvos de referência biológica (TRP)
6.7 Tipos de modelos de produção
6.8 Projecções a curto prazo (CP)

7. ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS

7.1 Regressão linear simples - Método dos mínimos quadrados
7.2 Modelo linear generalizado - Regressão linear múltipla - Método dos mínimos quadrados
7.3 Modelo não-linear - Método de gauss-newton - Método dos mínimos quadrados
7.4 Estimação de parâmetros de crescimento
7.5 Estimação de M - coeficiente de mortalidade natural
7.6 Estimação de Z - coeficiente de mortalidade total
7.7 Estimação dos parâmetros da relação manancial-recrutamento (S-R)
7.8 Estimação da matriz [F] e da matriz [N] - Análise de coortes - AC e LCA

8. EXERCÍCIOS

8.1 Revisão matemática
8.2 Taxas (2.2)
8.3 Modelo linear simples (2.3)
8.4 Modelo exponencial (2.4)
8.5 Coorte - Evolução em número (3.2)
8.6 Coorte - Captura em número (3.3)
8.7 Crescimento individual em comprimento e peso (3.4)
8.8 Coorte durante toda a vida, biomassa e captura em peso (3.6)
8.9 Coorte durante a vida - Simplificação de beverton e holt (3.7)
8.10 Manancial - Projecção a curto prazo (4.3)
8.11 Manancial - Projecção a longo prazo (4.4)
8.12 Relação manancial recrutamento (4.5)
8.13 Fmax (5.2.1)
8.14 F0.1 (5.2.2)
8.15 Fmed (5.2.3)
8.16 MBAL e, Bloss (5.3.4 & 5.3.5)
8.17 Floss e Fcrash (5.3.5 & 5.3.6)
8.18 Modelos de produção (equilíbrio) - Schaefer (6.7.1)
8.19 Modelos de produção (equilíbrio) Indices de abundância e de nível de pesca (6.7.1 & 6.7.2)
8.20 Modelos de produção - Projecção a curto prazo (6.8)
8.21 Regressão linear simples - Estimação dos parâmetros da relação W-L e parâmetros de crescimento (Ford-Walford), Gulland e Holt e Stamatopoulos e Caddy (7.2)
8.22 Modelo linear múltiplo - Revisão de matrizes estimação dos parâmetros do modelo integrado de FOX (IFOX) (7.3)
8.23 Regressão não linear - Estimação dos parâmetros de crescimento e da relação S-R (metodo de Gauss Newton) (7.4)
8.24 Estimação de M (7.6)
8.25 Estimação de Z (7.7)
8.26 Análise de coortes por idades (AC) (7.9.1)
8.27 Análise de coortes por comprimentos (LCA) (7.9.2)
8.28 Exame - Parte escrita (Lisboa, Dez. 1997)

TAMPA TRASEIRA