Cover
INTERACÇÃO DO GÉNERO, DA AGROBIODIVERSIDADE E DOS CONHECIMENTOS LOCAIS AO SERVIÇO DA SEGURANÇA ALIMENTAR
MANUAL DE FORMAÇÃO

© FAO 2005

CONTEÚDO


Todos os direitos reservados. A reprodução e disseminação de material existente neste produto de informação para propósitos educacionais ou outros propósitos não comerciais estão autorizadas sem qualquer permissão escrita prévia dos detentores do copyright desde que a fonte seja completamente reconhecida. A reprodução de material contido neste produto de informação para revenda ou para outros propósitos comerciais sem permissão escrita dos detentores do copyright é proibida. Os pedidos para essa permissão deverão ser dirigidos ao Chief, Publishing Management Service, Information Division, FAO, Viale delle Terme di Caracalla, 00100 Rome, Italia ou serem enviados por e-mail para copyright@fao.org

As designações empregues e a apresentação de material neste produto de informação não implica a expressão de qualquer opinião por parte da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) com respeito ao estado legal ou de desenvolvimento de qualquer país, território, cidade ou área das suas autoridades, ou concernente à delimitação das suas fronteiras ou limites.

As opiniões expressas nesta publicação são as dos autores e não reflectem obrigatoriamente as opiniões da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura encoraja a disseminação de material contido nesta publicação, desde que seja feita referência à fonte.

PRÓLOGO

O presente Manual de Formação é baseado em experiências recolhidas em numerosos seminários de formação realizadas ao abrigo do projecto FAO-LinKS1 na Africa Oriental e Meridional. Este manual de formação constitui um guia conceptual para formadores que pode ser utilizado para orientá-los através dos assuntos do género e conhecimento local, que são elementos importantes para a gestão da agrobiodiversidade e para a segurança alimentar.

É aparente, quando se trabalha com este Manual de Formação, que a agrobiodiversidade e a segurança alimentar são assuntos complexos que necessitam de uma apreciação cuidadosa. O mito de que as tecnologias ensinadas aos agricultores vão aligeirar a sua pobreza e fome, porque o conhecimento ou sementes providenciadas são modernos e novos, persiste em muitos contextos. Isto leva à não materialização de resultados positivos e aos agricultores rurais serem confrontados com colheitas falhadas, ou à descoberta que a tecnologia aplicada não é a apropriada à sua situação particular.

Têm havido sucessos, é verdade, contudo, uma leitura cuidadosa dos estudos de caso contidos neste Manual, vai estimular os leitores a parar e reflectir. Em alguns casos, o equilíbrio entre os alimentos selvagens e as variedades cultivadas locais oferece melhores soluções para contextos locais e a introdução de novas tecnologias pode perturbar o equilíbrio.

Um dos resultados de participar na formação vai ser uma consciência crescente da importância do género e conhecimento local para a gestão sustentável da agrobiodiversidade. Os assuntos do género, conhecimento local e agrobiodiversidade e as suas ligações são explicados claramente. A abordagem da subsistência sustentável é usada como uma estrutura para melhor compreender estas ligações. Além disso, o Manual fornece uma visão geral das políticas, processos e instituições ao nível global que podem afectar os agricultores e a agrobiodiversidade em geral.

As fichas informativas contidas no Manual providenciam uma compreensão geral dos assuntos. Partilhar experiências e aplicar o conhecimento e a compreensão dos participantes será ainda mais importante. O Manual inclui alguns exercícios que encorajam os participantes a trazer as suas próprias experiências, partilhar as suas ideias e aplicá-las à sua própria situação de trabalho. O Manual fornece recursos a investigadores, extensionistas e àqueles envolvidos na implementação diária de projectos para orientarem melhor os processos que levam a uma gestão sustentável da agrobiodiversidade e a uma melhor segurança alimentar. Além disso o Manual acentua a importância de envolver os detentores do conhecimento local, tanto homens como mulheres no processo de tomada de decisão. Mais importante, para citar do Manual, eles vão recordar “que o ponto de entrada para a gestão da agrobiodiversidade são as próprias pessoas”.

Este processo participativo leva tempo, mas leva a resultados mais efectivos e sustentáveis.

Marcela Villarreal
Directora

Direcção de Género e População
Departamento do Desenvolvimento Sustentável

1 O projecto FAO-LinKS (Género, biodiversidade e sistemas de conhecimento local para a segurança alimentar) trabalha para melhorar a segurança alimentar da população rural e para promover a gestão sustentável da agrobiodiversidade por fortalecer a capacidade das instituições para usarem abordagens participativas que reconheçam o conhecimento agrícola dos homens e mulheres nos seus programas e políticas. O projecto é financiado pelo Governo da Noruega. Para mais informação visite o sítio da Internet do projecto: www.fao/sd/links, ou envie um e-mail para links-project@fao.org.

AGRADECIMENTOS

Este Manual de Formação é um produto de uma extensiva colaboração com formadores, investigadores e agricultores

O Serviço de Desenvolvimento e de Género gostaria de agradecer aos seguintes peritos por contribuírem para o desenvolvimento dos presentes materiais.

Sabiene Guendel, Cientista Sénior, por desenvolver o Manual de Formação; aos nossos colegas das Divisões técnicas da FAO, pelo seu suporte e contribuições; a todos os autores, instituições e organizações que autorizaram gentilmente a utilização dos seus artigos e publicações. Ao Programa de Parceria FAO/Holanda (FNPP), que providenciou suportes técnicos e financeiros adicionais.

Agradecimentos especiais vão para as equipas de projecto da LinKs na Tanzânia, Moçambique e Suazilândia por contribuírem com a sua valiosa experiência.


Hyperlinks to non-FAO Internet sites do not imply any official endorsement of or responsibility for the opinions, ideas, data or products presented at these locations, or guarantee the validity of the information provided. The sole purpose of links to non-FAO sites is to indicate further information available on related topics.

This electronic document has been scanned using optical character recognition (OCR) software. FAO declines all responsibility for any discrepancies that may exist between the present document and its original printed version.


CONTEÚDO

ABREVIAÇÕES E ACRÓNIMOS

INTRODUÇÃO AO MANUAL

MÓDULO 1   Introdução de conceitos chave

1.1  O QUE É A AGROBIODIVERSIDADE?

Pontos-chave para a ficha informativa 1.1

Página com informação processual 1.1 - Notas para o facilitador

1.2  O QUE É O CONHECIMENTOLOCAL?

Pontos-chave para a ficha informativa 1.2

Página com informação processual 1.2 - Notas para o facilitador

1.3  O QUE É O GÉNERO?

Pontos-chave para a ficha informativa 1.3

Página com informação processual 1.3 - Notas para o facilitador

1.4  O QUE É A SEGURANÇA ALIMENTAR?

Pontos-chave para a ficha informativa 1.4

Página com informação processual 1.4 - Notas para o facilitador

Leituras Chave

Referências

MÓDULO 2   Gestão da agrobiodiversidade da perspectiva de uma subsistência sustentável

2.1  O QUE É A ABORDAGEM DA SUBSISTÊNCIA SUSTENTÁVEL?

Pontos-chave para a ficha informativa 2.1

Página com informação processual 2.1 - Notas para o facilitador

Página de Exercícios 2.1

2.2  QUAIS SÃO AS LIGAÇÕES ENTRE AGROBIODIVERSIDADE, CONHECIMENTO LOCAL E GÉNERO NA PERSPECTIVA DA SUBSISTÊNCIA?

Pontos-chave para a ficha informativa 2.2

Página com informação processual 1.2 - Notas para o facilitador

Página de Exercícios 2.2

Leituras Chave

Referências

MÓDULO 3  Abordagens à agrobiodiversidade, género e conhecimento local

3.1  A DINÂMICA DO GÉNERO E A AGROBIODIVERSIDADE

Pontos-chave para a ficha informativa 3.1

Página com informação processual 3.1 - Notas para o facilitador

3.2  OS VALORES E BENEFÍCIOS DA AGROBIODIVERSIDADE NA PERSPECTIVA DO GÉNERO

Pontos-chave para a ficha informativa 3.2

Página com informação processual 3.2 - Notas para o facilitador

3.3  RECONHECER ASPECTOS DO GÉNERO NAS INICIATIVAS DA AGROBIODIVERSIDADE

Pontos-chave para a ficha informativa 3.3

Página com informação processual 3.3 - Notas para o facilitador

Leituras Chave

Referências

MÓDULO 4  Compreender a relação entre a agrobiodiversidade e o conhecimento local

4.1  O CONHECIMENTO LOCAL COMO PARTE DA AGROBIODIVERSIDADE

Pontos-chave para a ficha informativa 4.1

Página com informação processual 4.1 - Notas para o facilitador

4.2  DESAFIOS PARA O CONHECIMENTO LOCAL - COMPREENDENDO O CONTEXTO DA VULNERABILIDADE

Pontos-chave para a ficha informativa 4.2

Página com informação processual 4.2 - Notas para o facilitador

4.3  DESENVOLVER O CONHECIMENTO LOCAL E A AGROBIODIVERSIDADE - POLÍTICAS, INSTITUIÇÕES E PROCESSOS

Pontos-chave para a ficha informativa 4.3

Página com informação processual 4.3 - Notas para o facilitador

Leituras Chave

Referências

MÓDULO 5   Género, perda de biodiversidade, e a conservação perdendo terreno

5.1  OPINIÕES CONTRÁRIAS SOBRE O GÉNERO, A AGROBIODIVERSIDADE EA SEGURANÇA ALIMENTAR

LEITURAS CHAVE

Sustentar os meios de subsistência através da Conservação dos Recursos Genéticos de Animais
Anderson, S. 2003

Espécies negligenciadas, meios de subsistência e biodiversidade em áreas difíceis
Como Deve O Sector Público Responder?

Blench, R. 1997

Mulheres - utilizadoras, preservadoras e gestoras da agrobiodiversidade
Fao, 1999

O gado e os meios de subsistência
Ghotge, N. E Ramdas, S. 2003

Boas ideias tornadas más? Um glossário de terminologia relacionada com os direitos
Grain. 2004

O conhecimento local e a patenteabilidade
Memorandum do IISD Sobre Comércio E Desenvolvimento. №7

Sementes da vida: as mulheres e a biodiversidade agrícola em África
Notas Ik № 23 Agosto de 2000

O conhecimento indígena e o VIH/SIDA: Gana e Zâmbia
Notas Ik № 30 Março de 2001

A contribuição dos vegetais indígenas para a segurança alimentar familiar
Notas Ik № 44 Maio de 2002

A Segurança Alimentar e a Biodiversidade
Biodiversidade no desenvolvimento - Breve Sobre Biodiversidade 6. Iucn/Dfid

Bancos de sementes comunitários para a Agricultura semi-árida no Zimbábue
Mujaju, C., Zinhanga, F. E Rusike, E. 2003

O papel central da Biodiversidade Agrícola: tendências e desafios
Thrupp, L. A. 2003

O Género na Conservação da Biodiversidade Agrícola
Torkelsson, A. 2003

Perdendo Terreno:
Relações de Género, Horticultura Comercial, e Ameaças à Diversidade de Plantas no Mali Rural.

Wooten, S. 2003