FAO.org

Home > Media > Notícias

FAO reitera o seu apoio aos países lusófonos para erradicar a fome e a má nutrição

Graziano da Silva destaca em Cabo Verde a necessidade de consolidar os Conselhos Nacionais de Segurança Alimentar e Nutricional

16 de Julho de 2018, Ilha do Sal, Cabo Verde – O Director-Geral da FAO reiterou hoje o seu apoio aos países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na implementação da Estratégia Regional para a Segurança Alimentar e Nutricional – aprovada na Cimeira de Maputo em 2012 - que permita erradicar a fome e garantir uma alimentação adequada nos países lusófonos. 

Para ele, sublinha, a FAO vai continuar a suportar o trabalho dos Conselhos Nacionais de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSAN), sendo que já sete dos nove estados-membros do bloco (Brasil, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, Guiné-Bissau e Portugal, que o aprovou na semana passada). O Director-Geral da FAO felicitou a todos os países por este esforço e acredita que tanto Angola como a Guiné Equatorial seguirão o exemplo.

“Os Conselhos Nacionais são fundamentais para promover uma melhor governança da Estratégia de Segurança Alimentar e um diálogo inclusivo entre os diferentes actores governamentais e não governamentais”, afirmou Graziano da Silva ao dirigir-se à II Reunião do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional da CPLP que se acontece esta semana em Cabo Verde.

“Hoje, mais do que nunca, é fundamental escutar e considerar as opiniões dos organismos internacionais, da sociedade civil, do sector privado, dos parlamentares, dos institutos de investigação e do mundo académico”, anotou. O Director-Geral reiterou que só assim, trabalhando de forma conjunta, a comunidade internacional poderá superar os desafios em matéria de desenvolvimento sustentável e garantir que nada fique para trás na implementação da Agenda 2030.

O Primeiro-Ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, sublinhou a importância de elevar o estatuto do CONSAN como órgão assessor dos Chefes de Estado e de Governo da CPLP e sugeriu que que as suas reuniões ordinárias tenham lugar sempre à margem das Cimeiras da CPLP.

Por meio da declaração de Santa Maria aprovada hoje, o CONSAN-CPLP reconheceu o trabalho e liderança do Professor José Graziano da Silva como Diretor-Geral da FAO com a finalidade de tornar a Organização mais eficiente e eficaz no apoio aos Estados-Membros para implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

A comunidade de países de falam português é composta por Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, Guiné-Bissau e Portugal.

Durante a sua visita a Cabo Verde, o Director-Geral da FAO também assinou uma carta de intenções com o Ministro das Relações Exteriores de Portugal, Augusto Santos Silva, que aumenta o mandato dos escritórios da FAO em Lisboa para apoiar a implementação da Estratégia, aprovada pelos países da CPLP na Cimeira de Maputo em 2012.

Apoio à agricultura familiar e às mulheres rurais

Na sua intervenção, o Director-Geral da FAO também destacou a importância crucial do apoio à agricultura familiar através da aprovação de políticas públicas e programas intersectoriais, e da dinamização do papel das mulheres rurais dos países da CPLP para alcançar o desenvolvimento sustentável. 

Ainda assim, Graziano da Silva advertiu que a estratégia de aumentar a produção a qualquer preço não foi suficiente para erradicar a fome, não conseguiu evitar a epidemia global da obesidade e excesso de peso, e teve um enorme custo para o meio ambiente devido ao uso intensivo de químicos e recursos naturais.

“O solo, os bosques, a água, a qualidade do ar e a biodiversidade continuam a deteriorar-se. Devemos promover uma mudança transformadora na forma como produzimos e consumimos alimentos. Teremos que propor sistemas alimentares sustentáveis que ofereçam alimentos saudáveis e nutritivos, e também preservar o meio ambiente”, afirmou.

Neste sentido, encorajou a adaptação dos sistemas agrícolas e alimentares ao impacto das alterações climáticas, especialmente tendo em conta a intensidade crescente de inundações e secas como a que sofre o país anfitrião do encontro.

 
Promoção de dietas saudáveis

O Director-Geral da FAO fez uma chamada de atenção aos países lusófonos para fazer frente às taxas crescentes de obesidade que afectam tanto os países desenvolvidos como os em via de desenvolvimento e que qualificou como “alarmantes”.

Explicou que, em 2017, quase 2.000 milhões de adultos no mundo sofriam de excesso de peso, dos quais cerca de 700 milhões são obesos. “O consumo excessivo de alimentos processados ricos em sal y açúcares é o principal factor do aumento da obesidade. Os países devem fazer frente a esta situação estimulando dietas saudáveis através de políticas públicas que permitam que os consumidores conheçam os benefícios e os malefícios do que estão comendo”, assinalou.

Segundo o Director-Geral da FAO, esta situação requer um redobrar de esforços na educação nutricional, sobretudo das mães e das crianças, e melhorar a informação disponibilizada aos consumidores através da regulação da rotulagem e publicidade dos alimentos.

Photo: ©FAO/Ines Gonsalves
Mulher carregando peixe recém-comprado a pescadores locais em São Tomé e Príncipe.

Share this page