FAO.org

Home > Media > Notícias

A FAO e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa lançam novo Centro de Competências para a Agricultura Familiar Sustentável

Com sede em São Tomé e Príncipe, a nova instalação ajudará a impulsionar a estratégia da CPLP para Segurança Alimentar e Nutricional

18 de Julho de 2019, Monsanto, Portugal – A FAO e a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) juntaram forças para aumentar a segurança alimentar e nutricional em seus territórios por meio do fortalecimento da agricultura familiar sustentável e do desenvolvimento da agroecologia.

O Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva, anunciou hoje um programa de cooperação no valor de $400 000 que começa com a criação de um novo centro de treinamento sediado em São Tomé e Príncipe para facilitar a troca de saberes e a capacitação de técnicos, instrutores de escolas agrícolas e agricultores familiares, com especial ênfase na participação crescente destes nas legislação de agroecologia e de agricultura familiar.

“Não mudaremos os sistemas alimentares com tecnologia, em lugar disso precisamos fazer mudanças nas leis e na área de pesquisa”, destacou Graziano da Silva. A FAO está apoiando o novo centro como forma de “abrir uma janela na catedral da Revolução Verde, para plantar a ideia de que um modelo de produção e consumo responsáveis, novo e mais sustentável, é possível”, adicionou.

A Revolução Verde foi capaz de prevenir a fome nos anos 1970, “mas atingiu seu limite e é o momento de colocar em seu lugar modelos que combatam o aumento da fome e da obesidade que assola o mundo”, mencionou ele.

O Diretor-Geral da FAO fez seu pronunciamento na cerimônia de abertura do evento “Territórios Relevantes para um Mundo Sustentável” em Monsanto, como parte de uma visita de tres dias a Portugal.

Este novo centro de treinamento também promoverá a capacitação em produção sustentável, processamento e tecnologias de armazenamento, bem como o treinamento para acesso melhorado a mercados de produtos de valor agregado como mandioca, café, cacau, castanhas, pesscado, carne, laticínios e frutas e verduras.

Práticas de agricultura familiar e agroecologia, essenciais para os países da CPLP

O bem-estar dos pequenos produtores e das e dos agricultores familiares da CPLP, grupo de nove países, é fundamentral para a coesão social, o desenvolvimento rural e a presevação do ecosistema.

É por isso que a agricultura familiar e a agroecologia possuem um papel proeminente na Estratégia Regional da CPLP para a Segurança Alimentar e Nutricional, adotada pelos chefes de Estado e governo em 2012 para abordar o problema da fome e da má nutrição.

Os países da CPLP têm um papel fundamental nos processos que levaram à adoção do Decênio da Agricultura Familiar e da Década de Ação das Nações Unidas pela Nutrição, atualmente promovida pelo globo.

A FAO já trabalhou com a CPLP em diversos projetos e programas – e há mais iniciativas em andamento nas áreas de políticas para dietas, agroecologia e a promoção dos Sistemas Agrícolas Tradicionais Globalmente Importantes – para alcançar as metas compartilhadas desde 1999.

Sobre a CPLP

A Comunidade de Países de Língua Portuguesa é composta por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial e Timor-Leste, a população combinada dos países supera as 285 milhões de pessoas.

Photo: ©FAO/...
Uma agricultora alimenta suas galinhas

Share this page