FAO.org

Home > Mídias > Notícias

Aumentar o conhecimento sobre a segurança alimentar na América Latina e nas Caraíbas

Mais de 220 universidades juntam-se à FAO para aumentar as oportunidades de aprendizagem e melhorar políticas

Foto: ©FAO/Giulio Napolitano
Os cursos foram concebidos para profissionais de segurança alimentar como estatísticos governamentais e nutricionistas, entre outros.

Roma, 28 de fevereiro de 2014 – Uma nova parceria educacional vai colocar novos conhecimentos à disposição de milhares de profissionais em segurança alimentar e nutricional na América Latina e nas Caraíbas. Indivíduos e instituições vão poder aceder a um vasto conjunto de cursos on-line para desenvolver as suas capacidades, permitindo melhorar a formulação de políticas e programas.

A iniciativa vai oferecer um novo Mestrado em Segurança Alimentar, complementando assim os cursos de aprendizagem on-line oferecidos atualmente pela FAO. A colaboração incidirá sobre atuais e potenciais legisladores, através de uma rede de mais de 220 universidades da região.


Com o apoio da União Europeia (UE), a FAO assinou um Memorando de Entendimento com a União de Universidades da América Latina e das Caraíbas (UDUAL) para desenvolver o programa educativo.

A UDUAL trabalhou com a FAO e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA ), para desenvolver os currículos . O início destes cursos está previsto para janeiro de 2015.

O objetivo desta iniciativa é contribuir para o desenvolvimento das capacidades de uma vasta gama de profissionais de segurança alimentar, incluindo nutricionistas, estatísticos, analistas de mercado e outros profissionais de ministérios ou instituições públicas. Ferramentas de cursos de aprendizagem on-line estarão também disponíveis para agricultores, comerciantes e trabalhadores agrícolas interessados nestas questões.

"Com esta nova parceria, fazemos uma grande contribuição para o desenvolvimento das capacidades de profissionais na América Latina e nas Caraíbas para enfrentarem os desafios da segurança alimentar", afirmou Marcela Villarreal, Diretora da Divisão de Parcerias, Promoção e Desenvolvimento de Capacidades da FAO. "Esta é uma forma muito rentável e significativa de contribuir para a luta contra a fome na região."

"Esta nova aliança vai ligar a experiência regional com perspetiva global e o conhecimento da FAO", afirmou Maria Helena Semedo, Diretora-Geral Adjunta da FAO. "Isso vai permitir-nos alcançar mais pessoas, mais rapidamente, ajudando a projetar leis e programas de nutrição e segurança alimentar mais eficientes que, consequentemente, vão ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas. O reforço das políticas sobre alimentação e nutrição é essencial para erradicar a fome até 2025."

"Formar diretamente cada legislador é simplesmente impossível", afirmou Lloyd Day, Vice-Diretor Geral do IICA, "porque os métodos de aprendizagem tradicionais envolvem custos significativos em viagens, recursos e tempo. No entanto, com os cursos on-line, podemos chegar a pessoas que de outra forma não poderiam aceder aos mesmos".

Lloyd Day acrescenta que quanto a mais pessoas esta iniciativa chegar, mais bem-sucedida será "no desenvolvimento das capacidades dos indivíduos e dos governos para basearem as suas decisões em conhecimentos científicos sólidos e em políticas consensuais, para ajudar a disponibilizar alimentos mais seguros e baratos a um mundo com fome".

"Para mim, este acordo centra-se em como o conhecimento e as políticas podem unir-se para oferecer soluções para a insegurança alimentar", afirmou Roberto Escalante, Secretário-Geral da UDUA. "As boas políticas são baseadas no conhecimento. Unir forças com organizações como a FAO e o IICA para reforçar o conhecimento sobre a segurança alimentar é uma boa maneira de combater a fome."


A União Europeia tem apoiado a FAO no desenvolvimento da atual base de cursos on-line sobre segurança alimentar. A União Europeia e a FAO juntaram-se no âmbito do programa "Melhorar a governança mundial para reduzir a fome", e trabalham com os países para melhorar a nutrição, fortalecer a resiliência e melhorar a segurança alimentar. O programa sublinha os valores do diálogo inclusivo, das informações precisas e dos processos nacionais e regionais de formulação de políticas e programas.

Para mais informações sobre cursos on-line sobre segurança alimentar consulte: http://www.foodsec.org/dl/elcpages/food-security-learning-center.asp?pgLanguage=en&leftItemSelected=food-security-learning-center