Novo impulso global para erradicar a nutrição inadequada

A Segunda Conferência Internacional sobre Nutrição reforça o compromisso e ações concretas

Roma, 21 de novembro de 2014 – Chegou a hora de tomar medidas decisivas para enfrentar o desafio da Fome Zero e assegurar uma nutrição adequada para todos, afirmou hoje o Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva, no seu discurso de encerramento da Segunda Conferência Internacional sobre Nutrição (ICN2).

"A nutrição inadequada é a principal causa de doenças no mundo", indicou Graziano da Silva, acrescentando: "Se fosse uma doença contagiosa, já estaria erradicada"

A Conferência reuniu representantes de mais de 170 governos, incluindo mais de 100 ministros e vice-ministros, que reafirmaram o compromisso em estabelecer políticas nacionais para a erradicação da nutrição inadequada em todas as suas formas e de transformar os sistemas alimentares para colocar dietas mais nutritivas ao alcance de todos. A reunião contou com a presença de mais de 2200 participantes, incluindo 150 representantes da sociedade civil e quase uma centena do setor privado.

O Papa Francisco, a Rainha Letizia de Espanha, a Primeira-Dama Nadine Heredia do Peru, o Rei Letsie III do Lesoto e a Princesa Haya Bint Al Hussein dos Emirados Árabes Unidos, participaram da Conferência na qualidade de convidados especiais.

"Temos diante de nós a década da nutrição", explicou o Diretor-Geral da FAO, referindo-se à próxima Expo Milão 2015, com o tema "Alimentar o Planeta, Energia para a Vida".

Graziano da Silva disse que a segurança alimentar e nutricional também estará no topo da agenda de desenvolvimento pós-2015 das Nações Unidas, que irá substituir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, que chegam ao fim no próximo ano.

"Esta conferência marca o início dos nossos renovados esforços perante a nutrição", acrescentou. "Será lembrada por ter trazido a nutrição para a esfera pública, tornando-a uma questão pública, e não privada".

"Os compromissos políticos que resultaram da ICN2 – a primeira que inclui soluções que abordam a nutrição inadequada em todas as suas formas, desde a fome à obesidade – são um marco. Temos grande interesse em trabalhar com os Estados-Membros e a FAO para avançar o quanto antes com políticas e ações que mudem a vida de milhões de pessoas", afirmou Oleg Chestnov, Subdiretora-geral da OMS para Doenças Não Transmissíveis e Saúde Mental.

Ao longo da conferência de três dias organizada pela FAO e pela OMS, Graziano da Silva, e a Diretora-Geral da OMS, Margaret Chan, destacaram a importância da colaboração entre os setores para enfrentar os desafios nutricionais deste século, mas deixaram claro que a luta contra a nutrição inadequada deve ser liderada pelos governos nacionais, através de compromissos e critérios concretos.

Na ICN2 os governos adotaram a Declaração de Roma sobre a Nutrição, juntamente com um Quadro de Ação, que indicam recomendações de longo prazo para os responsáveis pela formulação de políticas nacionais de combate à nutrição inadequada e colocam a alimentação saudável e a sustentabilidade ambiental no centro da produção e distribuição de alimentos, desde o campo até ao garfo.

Os documentos são o culminar de quase um ano de discussões que incluíram contributos da sociedade civil e do setor privado.

O Diretor-Geral da FAO reconheceu que a sociedade civil e as empresas são aliados-chave na luta contra a nutrição inadequada, pelos seus respetivos papéis na responsabilização dos governos e na disponibilização de alimentos para os consumidores.

Novo fundo para a nutrição

"Precisamos de um financiamento adequado para a implementação do Quadro de Ação da ICN2", afirmou o Diretor-Geral, lembrando aos delegados que essa "não é uma questão menor."

Para apoiar os governos a transformar os compromissos em ação, a FAO estabeleceu o Fundo Fiduciário para a Ação de Nutrição. Este fundo irá mobilizar recursos para programas e projetos que promovam ambientes propícios à nutrição, promovam sistemas alimentares sustentáveis e práticas comerciais que visem melhorar a nutrição, aumentar a informação nutricional, melhorar a segurança alimentar e nutricional, tornando-a parte de redes de segurança social mais fortes.

Para garantir a prestação de contas após a ICN2, o fundo também ajudará os países a construir mecanismos para acompanhar os compromissos relacionados com a nutrição.

O comitê gestor do Fundo Fiduciário estará localizado na FAO e inclui, entre outros, os principais doadores, a sociedade civil e representantes do setor privado.

Foto: ©FAO/Alessandra Benedetti
José Graziano da Silva, no seu discurso de encerramento da ICN2

Share this page