FAO.org

Home > FAO in Portugal > Notícias > Detail
FAO in Portugal

O Dia Mundial da Alimentação destaca a necessidade de ações mais ousadas sobre dietas saudáveis e sustentáveis

16/10/2019

O Dia Mundial da Alimentação deste ano, com o tema “As nossas ações são o nosso futuro. Dietas saudáveis ​​para um mundo #ZeroHunger (Fome zero)”, ocorre no contexto do aumento da fome global, mas também do excesso de peso e da obesidade. A FAO e os seus parceiros acreditam que existem soluções acessíveis para reduzir todas as formas de desnutrição, contudo exigem um maior comprometimento e ação global.

“A ação coletiva é o caminho para enfrentar um desafio global como a fome no mundo”, disse o Primeiro-Ministro da Itália, Giuseppe Conte, no seu discurso.

Tanto o Primeiro-Ministro italiano, como o Diretor-Geral da FAO, Qu Dongyu, receberam com satisfação o anúncio do Secretário-Geral da Organização das Nações Unidades (ONU), António Guterres, da convocação de uma Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU em 2021, como parte da Década de Ação para entregar os ODS.

Numa mensagem do Dia Mundial da Alimentação, Guterres classificou o aumento da fome como inaceitável, uma vez que o mundo desperdiça mais de 1 bilhão de toneladas de alimentos todos os anos.

O Papa Francisco, em mensagem especial lida no evento, enfatizou que “a batalha contra a fome e a desnutrição não terminará enquanto a lógica do mercado prevalecer e o lucro for buscado a qualquer custo”.

Qu Dongyu, enfatizou a importância da colaboração e o papel que todos precisam de desempenhar, de governos, indústria alimentar, setor público, instituições de pesquisa, aos consumidores, para progredir no sentido de possibilitar dietas saudáveis ​​para todos e para interromper e, esperançosamente, reverter a tendência atual do aumento da fome, excesso de peso e obesidade.

O Diretor-geral da FAO anunciou o tema bienal da agência das Nações Unidas para 2020-2021, Promoção de dietas saudáveis ​​e prevenção de todas as formas de desnutrição, e reafirmou o compromisso da FAO com o objetivo global de acabar com a fome e a desnutrição em todas as suas formas até 2030.

O Presidente do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Gilbert F. Houngbo, afirmou: “Podemos alcançar nosso compromisso de acabar com a fome. O nosso sucesso dependerá da transformação dos sistemas alimentares globais, para que incluam mulheres, jovens e para que sejam ambiental, social e economicamente sustentáveis, e que contribuam para dietas saudáveis ​​para todos. Com as políticas certas e os investimentos certos no desenvolvimento agrícola e rural, podemos criar um mundo seguro de alimentos, onde tanto a fome e a pobreza são drasticamente reduzidas”.

David Beasley, Diretor Executivo do Programa Alimentar Mundial (PAM), reafirmou as chamadas para acabar com o desperdício alimentar e apelou à união pela campanha do PAM para #StopTheWaste (Acabar com o desperdício): “A quantidade de comida desperdiçada globalmente é suficiente para alimentar outros 2 bilhões de pessoas, portanto, num mundo em que a cada cinco segundos uma criança morre de causas evitáveis, como a fome e a desnutrição, isso é totalmente inaceitável. Temos uma solução para a fome nas nossas mãos, apenas por sermos melhores administradores dos alimentos que já temos.”

Ministros de vários países, como a Nicarágua, Mali, Emirados Árabes Unidos, também discursaram no evento, sobre importância de tornar as dietas saudáveis ​​acessíveis a todos.

Defendendo as dietas saudáveis e sustentáveis

O Diretor-Geral da FAO evidenciou os mais de 820 milhões de pessoas com fome no mundo, embora o número total de pessoas subnutridas crónicas tenha aumentado nos últimos anos, a taxa está a diminuir em comparação com a população total do planeta. Qu também destacou que mais de 2 bilhões de adultos e quase 380 milhões de crianças e adolescentes estão acima do peso ou são obesos. Isto porque os nossos sistemas alimentares atuais estão a falhar em garantir a segurança alimentar para todos e a cumprir dietas saudáveis, contribuindo para a degradação ambiental.

Desde a produção agrícola até o processamento e o comércio, há pouco espaço para alimentos frescos produzidos localmente, uma vez que as culturas de alto rendimento e lucrativas têm prioridade. Embora alimentos suficientes sejam produzidos globalmente, os alimentos não são produzidos onde são mais necessários.

Estimativas recentes da FAO e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico indicam que, globalmente, a produtividade agrícola deverá aumentar mais rapidamente do que o aumento de 15% na procura por produtos agrícolas na próxima década, com a desaceleração das emissões de gases de efeito estufa e sem expansão substancial no uso da terra. Mas, em vez de incentivar os agricultores a produzir alimentos mais nutritivos, muitos países continuam a subsidiar produtos com baixo valor nutricional, favorecendo os alimentos básicos como o trigo, arroz, milho, em vez de frutas e legumes.

Dietas não saudáveis ​​são uma das principais causas de morte em todo o mundo devido a doenças não transmissíveis (DNTs), incluindo doenças cardiovasculares, diabetes e certos tipos de cancro, afetando os orçamentos nacionais de saúde. Prevê-se que a obesidade custe 2 mil milhões dólares por ano em perda de produtividade económica e custos diretos de assistência médica em todo o mundo.

Como tornar as dietas saudáveis disponíveis e acessíveis a todos

Para resolver essa situação, a FAO pede melhores incentivos para os produtores agrícolas do mundo; rótulos de alimentos mais fáceis de entender e mais abrangentes e publicidade responsável para ajudar os consumidores a escolherem dietas mais saudáveis; comércio mais sustentável com regras claras; e um impulso para pensar em nutrição como parte da segurança alimentar.

Os setores privados também devem reformular os produtos para torná-los mais nutritivos, enquanto as empresas da indústria alimentar que produzem alimentos nutritivos podem receber incentivos para tornar os seus produtos mais acessíveis.

Também a tecnologia deverá ser aplicada mais amplamente nas cadeias de valor da agricultura para criar novas plataformas e reduzir a disparidade urbano-rural.