2016 – Ano internacional das leguminosas

This blog post was written by Francisco Bruno Elias da Silva, poet, xylographer and writer from Juazeiro do Norte, Ceará, Brazil.

O Cordel é a cartilha
Que canta a diversidade
A maior enciclopédia
Da nossa sociedade
E tem mais sabedoria
Que os livros da faculdade.

E aqui na ocasião
Quero versar sobre o tema
Das plantas leguminosas
No qual não vejo dilema
Pois o poeta que é bom
Desata qualquer problema.

Seguindo neste roteiro
Primeiro convém dizer
Que os povos primitivos
Em prol de sobreviver
Aderiam ao nomadismo
Caçando para comer.

Aquela cruel rotina
Depois mudou de figura
Quando o homem descobriu
A ferramenta segura
Pra produzir seu sustento
Por meio da agricultura.

Desenvolveu o cultivo
De diversos vegetais
Passando ao sedentarismo
Domesticou animais
Legando à posteridade
Saberes fundamentais.

Por isso a ONU carimba
Com sua credencial
Em dois mil e dezesseis
O Ano Internacional
Das Plantas Leguminosas
Por decreto oficial.

Porém é bem necessário
Explicar corretamente
A planta leguminosa
Aqui detalhadamente
E porque das outras plantas
Ela é tão diferente.

Dos vegetais comestíveis
Formam a classe maior
Em solo bem manejado
O grão se torna melhor
E a colheita recompensa
Cada gota de suor.

As leguminosas secas
Conservam alto teor
De carga nutricional
Que realça o seu sabor
São indiscutivelmente
Fonte de força e vigor.

São assim indispensáveis
Em qualquer tempo ou idade
Na prevenção de doenças
No combate à obesidade
As leguminosas mostram
Perfeita capacidade.

Segundo mostra o estudo
Contribuem largamente
Pra reduzir no planeta
Os males do clima quente
Segurando o nitrogênio
No chão do meio ambiente.

O Feijão é desta classe
O que melhor representa
Saboroso, nutritivo,
Mata a fome e nos sustenta
Quem come feijão tem força
E qualquer labuta enfrenta.

Feijão Preto é conhecido
E já virou tradição
Com arroz a feijoada
É a melhor refeição
Que representa o Brasil
Dentro e fora da nação.

Sendo o Feijão Mulatinho
Faz bem o prato Tropeiro
Com carne de boi cozida
Recorda o povo mineiro
Não há comida melhor
Em todo o chão brasileiro.

Feijão Branco é leve prato
E bom acompanhamento
Seja com arroz somente
Temperado com coentro
É o feijão ideal
Pra servir de complemento.

Feijão Azuki é aquele
Que vem pra nós do Japão
Casca grossa e bem redondo
Vermelha a coloração
É pequeno e rende pouco
Porém rico em nutrição.

Feijão de Corda ou Fradinho
Completa a nossa cozinha
Com carne de bode assada,
Capote, porco ou galinha,
Com baião de dois e tripa
Ou somente com farinha.

O Acarajé também
É feito deste feijão
Cada bolinho daquele
Coberto de camarão
Com Bobó dentro e pimenta
Na Bahia é tradição.

A Soja tem bom prestígio
Em termos de vitamina
Tem sabor e qualidade
Originária da China
Rica em cálcio, ferro e zinco,
Um poço de proteína.

Grão de Bico teve origem
No ocidente Europeu
Trazido para o Brasil
Aqui se desenvolveu
Rico em ferro e magnésio
É grande o conceito seu.

Lentilha não é daqui
É de outro continente
Ervilha da mesma forma
Veio do Médio Oriente
Em matéria de saúde
Cada uma é bem potente.

A Fava verde ou já seca
Possui força e nutrição
Cozida com pão de milho
Faz a perfeita união
É comida bem comum
Nas mesas deste sertão.

Sertão que é paraíso
Quando cai chuva no chão!
A seca se retirando
Acaba a desilusão
Quem planta vê a semente
Nascendo de grão em grão!

A situação melhora
Os rios criam volume
As matas antes cinzentas
Agora exalam perfume
Os peixes nadam libertos
Multiplicando o cardume.

Na colheita do legume
O sertão tem nova vida
O camponês agradece
Outra safra garantida
Louvando a Deus pela mesa
Que vê farta de comida.

Assim o tempo de fome
Cede lugar à fartura
Pelo Brasil, pelo Mundo,
Onde há semeadura
As leguminosas são
A base da agricultura.

Paiol cheio é bom sinal
Que há desenvolvimento
A Região ganha vida
Acaba o padecimento
E a sustentabilidade
Dá lugar ao crescimento.

Legume bom no mercado
Movimenta a economia
Na cadeia produtiva
Ninguém vê mais carestia
E o lavrador ganha força,
Com lucro e autonomia.

Ganha o comércio local,
O freguês e o vendedor:
O freguês ganha em saúde,
Em nutrição e sabor
E o lucro de quem vendeu
Valoriza o agricultor.

Em versos deixo o recado
Para as instituições
Está no tempo correto
De alertar as nações
Pois o planeta precisa
De todas as atenções.

Entes Governamentais
Do poder Legislativo
Vamos unir nossas forças
Aos chefes do Executivo
Em prol de um país justo
Mais limpo e bem produtivo.

Consumir corretamente,
E reciclar sempre mais
Produzir sem agrotóxico
Tratar bem os animais
A nação que age assim
Tem boas credenciais!


The views expressed here belong to the speaker and do not necessarily represent FAO’s views, positions, strategies or opinions.
 


Comments:

No comments

Share this page