Escritório Regional da FAO para a América Latina e o Caribe

UNECE e FAO reúnem atores-chave do setor têxtil do algodão na América Latina para diálogo rumo à moda circular e sustentável

Em formato híbrido, participarão autoridades governamentais e o setor empresarial, associações e cooperativas.

Santiago do Chile, 04 de abril de 2022 - A Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa (UNECE) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) reúnem em Santiago do Chile, entre 6 e 8 de abril, representantes do setor têxtil de países da América Latina para o evento: “Acelerando a ação para uma indústria da moda circular e sustentável: Inovações para uma cadeia de valor do algodão mais inclusiva”. 

O evento, que faz parte do projeto UNECE sobre rastreabilidade para vestuário e calçado sustentável, visa discutir e identificar boas práticas e iniciativas escaláveis ​​para que, mediante uma melhor articulação empresa-governo, sejam enfrentados os desafios e necessidades comuns do setor algodão-têxtil-vestuário setor na região da América Latina e Caribe, aproveitando as oportunidades da digitalização das cadeias de valor e do comércio regional e internacional. A indústria do vestuário e do calçado é um setor crítico com cadeias de valor globais, poucas medidas de transparência e um elevado impacto ambiental, social e de saúde que tem sido amplamente documentado. 

Em formato híbrido (presencial e virtual), participarão autoridades governamentais de países como Peru e Chile, e representantes do setor empresarial, associações e cooperativas, bancos de desenvolvimento, organizações internacionais do Brasil, Colômbia e Peru. 

O evento conta com o apoio do projeto de cooperação sul-sul trilateral +Algodão, executado pela Organização das Nações Unidas para la Alimentação y la Agricultura (FAO), a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE) e sete países parceiros: Argentina, Colômbia, Bolívia, Equador, Haiti, Peru e Paraguai. 

O primeiro dia do evento busca discutir oportunidades atuais, desafios e passos futuros necessários para melhorar a rastreabilidade e transparência nas cadeias de valor de vestuário e calçados, por meio do diálogo entre indústria e cooperativas, com a participação de representantes governamentais dos países parceiros. O segundo dia, de caráter mais técnico, será transmitido via Zoom (link de inscrição aqui), aberto a interessados ​​no tema. 

No terceiro dia, haverá um diálogo com o Pacto Global Chile e grandes empresas têxteis e de varejo, além de uma visita de campo para conhecer a experiência da Ecocitex, empresa chilena que nasceu em 2020 e conseguiu estabelecer um programa de redução de resíduos. Para isso, a empresa comprou uma antiga fiação para poder processar roupas em mau estado, contribuindo para a eliminação do desperdício têxtil no Chile. 

Feito em algodão peruano

Durante o encontro, será apresentada uma coleção de pijamas da marca Cat's Pajamas, confeccionados com algodão pima peruano que participa do primeiro piloto de blockchain da América Latina, que permitirá verificar a origem premium do algodão Pima peruano na peça, por meio da rastreabilidade do “DNA da fibra”. Essa inovação possibilita conhecer as práticas sustentáveis ​​dos agricultores e agricultoras familiares que cultivam a fibra. A iniciativa inovadora na região é desenvolvida para rastrear o algodão Pima fornecido pela cooperativa Costach à empresa Creditex diretamente da descaroçadora na cidade de Piura, no Peru. A cooperativa reúne 5.200 agricultores familiares. 

Um setor com muitos desafios

A fragmentação global da produção têxtil-vestuário é um dos desafios, que se complica ainda mais com a prevalência da subcontratação e do trabalho informal. O abuso e a exploração de trabalhadores, muitos dos quais são mulheres, é um grande desafio para o setor. Além disso, em termos ambientais, o impacto da indústria também é preocupante, pois é um setor que consome muitos recursos como o uso da água. Tudo isso torna necessária a implementação de iniciativas que apoiem a transição para modelos sustentáveis ​​de produção e comercialização. 

De acordo com informações da UNECE, atualmente, apenas 34% das empresas no mundo começaram a implementar sistemas de rastreabilidade, mas a maioria delas se estende apenas aos seus fornecedores imediatos, enquanto as violações de direitos humanos e trabalhistas e impactos ambientais ocorrem muitas vezes além dos mercados consumidores.