Brasil oferece aporte adicional de US$ 17 milhões para projetos da FAO

Graziano da Silva se reúne com ministros do novo governo durante sua visita a Brasília

Roma, 1 de janeiro de 2015 - O Brasil ofereceu um aporte adicional de US$ 17 milhões para projetos em parceria com a FAO, reforçando o papel do país como fator-chave na luta contra a fome em níveis regional e global.

Os novos recursos elevam para mais de US$ 100 milhões o total do financiamento brasileiro a projetos conduzidos pela FAO. Projetos recentes, aprovados durante o mês de dezembro, incluem desde programas de alimentação escolar a políticas de consultoria de agricultura familiar ao setor pesqueiro na América Latina e África.

Hoje, o Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva participa da cerimônia de posse do segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, em Brasília. Amanhã, ele se reunirá com alguns ministros do novo gabinete.

Entre os novos recursos anunciados pelo Brasil, incluem-se US$ 5 milhões para apoiar um projeto de pesca na África; US$ 4 milhões para um novo projeto regional para a África que promoverá o intercâmbio e o diálogo político relacionado à agricultura familiar; US$ 3,5 milhões para expandir a cobertura geográfica do atual projeto de alimentação escolar na América Latina e no Caribe; e US$ 4,3 milhões para um projeto voltado à promoção da aquicultura de pequena escala na América Latina. Deve-se ainda adicionar US$ 5 milhões em espécie que se somam aos US$ 5 milhões em dinheiro para beneficiar a aquicultura no continente africano.

A FAO ainda pretende assinar um novo memorando de entendimento com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), que tem sido fundamental para o país em sua transição de importador de alimentos para grande produtor agrícola. O acordo impulsionará o patrocínio da FAO na Cooperação Sul-Sul.

Atualmente, o Brasil apóia mais de 27 projetos com a FAO, num montante total de quase US$ 100 milhões. Assim, já figura entre os 10 maiores contribuintes da organização, ao lado dos países do G7, da Noruega e da Arábia Saudita.

Forte defensor da Cooperação Sul-Sul, o Brasil tem compartilhado as políticas do Programa Fome Zero, adotada no país em 2003 e que tirou milhões de brasileiros da extrema pobreza, com os países da América Latina, Caribe e África. As recentes contribuições atestam quão diversificada tem sido a contribuição do país com a FAO, que abrange vários de seus ministérios e instituições.

Photo: ©FAO/Luca Tommasini
Um agricultor em sua fazenda: trabalho conjunto da FAO e do Brasil para promover aquicultura no Caribe e outras regiões