FAO.org

Home > Country_collector > FAO no Brasil > Notícias > Detail
FAO no Brasil

FAO prevê fortes perspectivas de crescimento para produção global e comércio de frutas tropicais

09/05/2019

9 de maio de 2019, Santiago, Chile - Como o maior exportador mundial de bananas e frutas tropicais e o segundo maior produtor do mundo, a América Latina e o Caribe estão particularmente bem posicionados para se beneficiar do crescimento esperado na demanda internacional por esses produtos, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura.

De acordo com o último relatório FAO Food Outlook, a grande porção de terra no cinturão tropical que a região possui e sua proximidade com os EUA, - o maior mercado para as principais frutas tropicais - deve se traduzir em perspectivas sólidas de crescimento da produção, impulsionadas pelas exportações.

Espera-se que a produção mundial e o comércio das principais frutas tropicais (manga, abacaxi, abacate e mamão) aumentem devido a maiores rendas e mudanças nas preferências dos consumidores em muitos mercados domésticos e de importação, bem como melhorias no transporte internacional.

O lado negativo, porém envolve os efeitos das mudanças climáticas e as condições extremas, que são altamente prejudiciais e ameaçam o potencial de produção da região, particularmente no Caribe, onde os pequenos Estados insulares são especialmente vulneráveis ​​aos efeitos destrutivos de tempestades tropicais cada vez mais frequentes.

Outra ameaça é a crescente prevalência de pragas e doenças que afetam as plantas, uma vez que os sistemas de produção industrializados de bananas e abacaxis são consideravelmente mais suscetíveis a surtos rápidos e generalizados.

Particularmente preocupante é o risco do fungo fusarium (Fusarium Wilt Tropical Race 4) no cultivo de bananas, que até agora tem se limitado a plantações na Ásia, Oriente Médio e África, mas diz respeito a produtores na região das Américas. Latina e Caribe.

 Mais comércio levará ao desenvolvimento?

Segundo a FAO, o efeito do comércio sobre o desenvolvimento social dependerá da inclusão justa dos pequenos produtores e de níveis salariais justos para os trabalhadores empregados nessas indústrias. Cerca de 200 mil famílias rurais participam diretamente da produção de banana na Guatemala e se beneficiam dela, enquanto cerca de 80% da produção de abacate no México é realizada por pequenos agricultores.

Assegurar preços e salários justos, melhorar a produtividade dos pequenos agricultores e seu poder de barganha, aumentar a resiliência a desastres climáticos e outros choques, e vincular locais de produção remotos a mercados são ações essenciais para assegurar crescimento inclusivo e desenvolvimento rural sustentável.

O comércio regional de frutas tropicais, em números

Em média, aproximadamente 25% da produção mundial total de bananas e frutas tropicais tem origem na América Latina e no Caribe, com um volume de produção anual de aproximadamente 54 milhões de toneladas entre 2016 e 2018 (média de três anos).

Com um consumo per capita total anual combinado de 55 kg de banana e outras frutas tropicais, a região também é uma das principais consumidoras dessas frutas em todo o mundo.

Mais importante ainda, as remessas de bananas e das principais frutas tropicais de fornecedores da América Latina e Caribe respondem por aproximadamente 75% das exportações mundiais, com um volume médio anual total de 25 milhões de toneladas durante o triênio de 2016 a 2018. Destes, 80% vai para os mercados dos países desenvolvidos, principalmente para os Estados Unidos e para a União Européia.

Estima-se que o valor total das exportações de bananas e das principais frutas tropicais da América Latina e do Caribe alcance cerca de US $ 11 bilhões em 2016-2018, dos quais bananas e abacates representaram cerca de US $ 6 bilhões e US $ 3,5 bilhões, respectivamente.