FAO.org

Home > FAO in Portugal > Notícias > Detail
FAO in Portugal

Chefs são ingredientes-chave na promoção de sistemas alimentares sustentáveis

22/03/2019

Os chefs de cozinha são agentes de mudança na luta contra a fome e a desnutrição, e desempenham um papel importante em inspirar as pessoas ao redor do mundo a apoiar a produção sustentável de alimentos, a adotar dietas saudáveis ​​e a evitar o desperdício.

Essa foi a mensagem central do simpósio internacional organizado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e o governo da França durante a semana "Goût de France", iniciada a 22 de março em Paris.

"Temos que educar e inspirar as pessoas a adotarem dietas saudáveis", disse o Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva. "A gastronomia é cada vez mais uma área de grande interesse, e os chefs estão entre os atores que podem moldar a opinião pública e influenciar os consumidores".

"A comida é, desde os primórdios da humanidade, uma dimensão essencial das trocas humanas, uma grande atividade económica e a fundação da organização das sociedades. Esse legado é transmitido de geração em geração e é partilhado à medida que as comunidades se encontram. A comida tece laços ao nível social e aumenta a curiosidade intercultural entre os países ", disse Audrey Azoulay, Diretor-Geral da UNESCO.

Durante o evento, os líderes da UNESCO e da FAO apresentaram a publicação "Chefes como agentes de mudança", sobre o trabalho conjunto de ambas as organizações em destacar o papel dos chefs como defensores de dietas saudáveis ​​e culturalmente diversificadas.

Existe um número crescente de chefs que está a promover alimentos ligados ao território e à cultura local, além do consumo de alimentos locais frescos. Os chefs de cozinha também estão cada vez mais envolvidos no movimento global para reduzir o desperdício de alimentos, promovendo esforços para redução do desperdício nos seus próprios restaurantes, bem como capacitando as comunidades locais para combater o desperdício.

As dietas alimentares não saudáveis ​​são a principal causa da pandemia global da obesidade. Estima-se que mais de 2 bilhões de pessoas estejam acima do peso, incluindo cerca de 670 milhões de pessoas obesas. O número de pessoas obesas no mundo pode, em breve ultrapassar, o número de pessoas subnutridas, atualmente estimado em 821 milhões.

"Com a obesidade em ascensão, os nossos sistemas alimentares devem deixar de apenas alimentar as pessoas e passar a nutri-las, com alimentos saudáveis ​​e nutritivos. Tudo isso é importante para a transformação que precisamos nos nossos sistemas alimentares", disse Graziano da Silva.

Didier Guillaume, Ministro da Agricultura e Alimentação da França, enfatizou a importância das políticas alimentares nacionais baseadas numa abordagem positiva à nutrição, e que levam em conta as dimensões educacional, social e cultural dos alimentos.

Investigadores, representantes da sociedade civil, da agricultura e da gastronomia também participaram do debate, discutindo as ligações entre gastronomia e educação e como elas podem ser usadas para combater a obesidade e o desperdício alimentar.

FAO e UNESCO a trabalhar em parceria

A FAO e a UNESCO estão a trabalhar juntas pelo reconhecimento da importância da cultura e do património cultural na promoção de dietas saudáveis ​​e da agricultura sustentável.

Os governos, com apoio da FAO, UNESCO e outros parceiros, estão a trabalhar para preservar o património comum associado aos sistemas alimentares por meio de iniciativas como os Sistemas Globais de Património Agrícola Importante (GIAHS) e o Património Cultural Imaterial da Humanidade (ICH). Estas iniciativas buscam preservar as tradições agrícolas e culinárias que contribuem para dietas sustentáveis ​​e saudáveis, como a tradição culinária Washoku do Japão, a dieta mediterrânea e a tradicional culinária mexicana.

A FAO e a UNESCO também estão a trabalhar em estratégias para reforçar a educação alimentar e nutricional nas escolas em muitas partes do mundo.

A publicação pode ser lida na íntegra, em inglês, aqui.