A Lagarta do Funil do Milho

A lagarta do funil do milho (LFM), Spodoptera frugiperda, é uma traça nativa das regiões tropicais e subtropicais das Américas e que agora encontra-se dispersa globalmente. No estádio de lagarta, pode causar danos significativos aos cultivos, se não houver controle natural, boas práticas agronômicas ou variedades resistentes. A LFM prefere milho, mas também pode se alimentar de mais de 80 culturas diferentes, incluindo trigo, sorgo, milho, cana-de-açúcar, hortaliças e algodão.

Uma vez estabelecida em um país, a LFM não pode ser erradicada e sua dispersão não poderá ser controlada. Uma traça adulta pode voar até cem quilômetros em uma única noite. Desde sua chegada à África Ocidental no início de 2016, a LFM infestou a maioria dos países africanos. Também se espalhou para o Oriente Médio, e para mais de uma dezena de países asiáticos, incluindo China, Índia e Japão. Foi detectada na Austrália, Mauritânia e Timor Leste. Os países do sul da Europa podem ser os próximos.

Com base nas estimativas de 2018 para 12 países africanos, até 17,7 milhões de toneladas de milho podem ser perdidas anualmente devido ao ataque da praga no continente Africano. Esta quantidade é suficiente para alimentar dezenas de milhões de pessoas. O impacto direto destas perdas atinge principalmente os pequenos agricultores do cereal, que dependem da colheita para evitar a fome e a pobreza.